Entenda o “distritão”, modelo que pode ser usado nas próximas eleições

Dourados - MS, 11 de agosto de 2017


A comissão da Câmara que analisa a reforma política aprovou nesta quinta-feira (10) uma emenda que estabelece o chamado “distritão” para a escolha de deputados federais, deputados estaduais e vereadores.

A comissão ainda não concluiu a análise dessa proposta, que passará também pelo plenário da Câmara (votação em dois turnos) e pelo Senado. Mas vale entender como funciona o sistema atual e quais são as mudanças discutidas.

COMO É HOJE – Proporcional com lista aberta

Como funciona o sistema

O eleitor vota no partido ou no candidato.

Os partidos podem se juntar em coligações.

O sistema permite o voto no partido e não somente no candidato.

É calculado o quociente eleitoral, que leva em conta os votos válidos no candidato e no partido.

Pelo cálculo do quociente, é definido o número de vagas que cada coligação ou partido terá direito.

São eleitos os mais votados das coligações ou partidos.

Efeitos de tipo de votação

“Puxadores de votos”, candidatos com votação expressiva, garantem vagas para outros integrantes da coligação.

Exemplo de “puxador de voto”: em 2010, o humorista Tiririca (PR-SP) recebeu 1.353.820 votos, o que beneficiou candidatos de sua coligação. O último eleito da coligação, Vanderlei Siraque (PT), e o penúltimo, Delegado Protógenes (PC do B), obtiveram cerca de 90 mil votos cada um. Candidatos de outras coligações que obtiveram votações superiores ficaram de fora.

O sistema permite que as coligações e partidos levem para as casas legislativas candidatos com votações expressivas e também outros não tão conhecidos.

A renovação do Legislativo tende a ser maior, porque os votos na legenda e nos “puxadores de voto” ajudam a eleger candidatos menos conhecidos.

O foco de muitas campanhas se concentra nas propostas dos partidos, e não em candidatos individuais.

COMO PODE FICAR – ‘Distritão’

Como funciona o sistema

Cada estado ou município vira um distrito eleitoral.

São eleitos os candidatos mais votados.

Não são levados em conta os votos para o partido ou a coligação.

O que muda na prática

Torna-se uma eleição majoritária, como já acontece na escolha de presidente da República, governador, prefeito e senador.

Possíveis efeitos

O modelo acaba com os “puxadores de votos”, candidatos com votação expressiva que garantem vagas para outros integrantes da coligação cuja votação é inexpressiva.

O foco das campanhas tende a passar para os candidatos, fazendo com que os programas dos partidos e das coligações percam espaço.

Com o favorecimento das campanhas individuais, candidatos com mais recursos podem ser beneficiados.

Pode favorecer os candidatos mais conhecidos, como celebridades ou parlamentares que tentam a reeleição, o que tornaria mais difícil a renovação.

Fonte: G1

0 Comentários

Envie seu Comentário

Antes de escrever seu comentário, Atenção! O MSAtual não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!