Alvos de operação da PF ligados a Jucá movimentaram R$ 3 bilhões em 2 anos

Brasil, Destaque, Política
Romero Jucá (à esquerda de terno cinza) participa da sessão do Senado na manhã desta quinta (28) (Foto: Geraldo Magela/Agência Senado)

Investigadores da Operação Anel de Giges – que tem entre os alvos filhos e enteados do senador Romero Jucá (PMDB-RR) – identificaram que os suspeitos movimentaram R$ 3 bilhões em 2 anos. O valor bilionário, atribuído a transações feitas por seis investigados que tiveram os sigilos bancários e fiscal quebrados, representa 30% do Produto Interno Bruto (PIB) de Roraima.

As investigações da PF apontam que o terreno onde foi erguido o empreendimento Vila Jardim – projeto executado na capital de Roraima com recursos do programa Minha Casa, Minha Vida – tem ligações com familiares de Jucá, líder do governo no Senado e presidente nacional do PMDB.

Além disso, os policiais federais encontraram indícios de que o empreendimento imobiliário foi executado pela construtora CMT Engenharia, que é suspeita de ter superfaturado a obra. O superfaturamento investigado no projeto é de R$ 32 milhões.

A Polícia Federal suspeita que foram usados laranjas na transação de venda do terreno no qual foi construído o projeto Vila Jardim.

Procurada pela TV Globo, a assessoria do Ministério Público Federal informou apenas que a investigação está em andamento há 1 ano e meio pelo Núcleo de Combate à Corrupção e que o caso está sob sigilo.

O que disseram os citados

No final da manhã, a assessoria de Romero Jucá divulgou uma nota na qual o senador do PMDB disse que interpreta a operação desta quinta da PF como uma “retaliação” da juíza federal que autorizou as diligências (leia a íntegra da nota abaixo).

“Não tememos investigação. Nem eu nem qualquer pessoa da minha família. Investigações contra mim já duram mais de 14 anos e não exibiram sequer uma franja de prova. Todos os meus sigilos, bancário, fiscal e contábil já foram quebrados e nenhuma prova. Só conjecturas”, diz trecho do comunicado.

Em uma rápida declaração a jornalistas no Senado, Jucá afirmou que “ninguém” vai intimidá-lo.

Já a prefeitura de Boa Vista comunicou que ação da PF não tem nenhuma relação com a administração municipal.

Leia a íntegra da nota divulgada pela assessoria de Jucá:

Nota à imprensa

Repudio mais um espalhafatoso capítulo de um desmando que se desenrola nos últimos anos, desta vez contra minha família. Como pai de família carrego uma justa indignação com os métodos e a falta de razoabilidade. Como senador da República, que respeita o equilíbrio entre os poderes e o sagrado direito de defesa, me obrigo a, novamente, alertar sobre os excessos e midiatização.

Não tememos investigação. Nem eu nem qualquer pessoa da minha família. Investigações contra mim já duram mais de 14 anos e não exibiram sequer uma franja de prova. Todos os meus sigilos, bancário, fiscal e contábil já foram quebrados e nenhuma prova. Só conjecturas.

Em junho de 2016, foi pedida a prisão de um presidente de um poder, de um ex-presidente da República e de um Senador com base em conjecturas. Em setembro agora, por absoluta inconsistência jurídica, o inquérito foi arquivado. Desproporcional e constrangedor, esse episódio poderia ter sido evitado. Bem como poderia ter sido evitado o de hoje. Bastava às autoridades pedirem os documentos anexados que comprovam que não há nenhum crime cometido.

Recebo essa agressão a mim e a minha família como uma retaliação de uma juiza federal, que, por abuso de autoridade, já responde a processo no Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Tornarei público todos os documentos que demonstrarão a inépcia da operação de hoje.

Fonte: G1

Deixe uma resposta