quarta-feira, Abril 25

Cuidados que devem ser tomados com a exposição das crianças na internet

Muitas crianças abrem canais nas redes sociais para compartilhar momentos de suas vidas. A pesquisa “Geração YouTube”, publicada pela ESPM-SP, analisou 500 canais na rede, dos quais 200 eram apresentados por crianças de até 12 anos. Em 2017, os vídeos produzidos por youtubers mirins receberam 20 bilhões de visualizações.

Se a exposição da criança na internet tem um lado positivo — ela assume papel de protagonista desde cedo, agindo como autora de conteúdos, em vez de apenas espectadora —, especialistas apontam a necessidade de os pais pesarem os prós e contras. Em alguma medida, ser um “digital influencer” pode trazer prejuízos aos pequenos.

— As crianças devem manter a atividade enquanto for divertido. E é difícil manter a diversão pois é preciso ter regularidade, planejamento, roteiro e edição do vídeo. Isso toma um tempo precioso que deveria ser dedicado ao estudo e às brincadeiras — pondera a educadora Andrea Ramal.

E o sucesso, como diz o ditado, é uma faca de dois gumes. Ao mesmo tempo que conquistar seguidores pode elevar a autoestima do youtuber mirim, a fama tem seus reveses. É preciso explicar à criança que o tempo de brilhar talvez não dure tanto.

— É importante ter uma conversa afim de mostrar que a fama é passageira, ainda mais na internet, e que ela não faz ninguém superior. Este tipo de bate-papo evita a frustração da criança — aconselha Andrea.

Sem falar nos “haters”, seguidores sem papas na língua para falar mal do conteúdo postado. Aprender a lidar com eles é um desafio para qualquer um. Ainda mais para uma criança!

— Nestes casos, os pais devem aproveitar a oportunidade de ensinar a como lidar com críticas de modo saudável — aconselha Adriana Cabana, psicóloga e Gerente de Atendimento do Prontobaby — Hospital da Criança.

‘O que falo no canal pode influenciar crianças’

Larissa freitas – Youtuber do canal “Mundo da Lari”, 12 anos

Comecei meu canal em 2015 para fazer vídeos mostrando minha boneca reborn. Nunca imaginei que chegaria onde cheguei. Meus pais são super envolvidos no canal, principalmente minha mãe. Ela sempre me orienta a passar uma mensagem positiva. O que falo no canal pode influenciar milhares de crianças. Lidar com a fama era estranho no início, eu ficava muito surpresa e até meio envergonhada, mas hoje acho super legal. No início, me importava muito com as críticas, lia alguns comentários ficava muito triste, mas com o tempo fui percebendo que isso sempre vai existir, porém não dou mais importância.

O que os responsáveis por youtubers

Monitore

Os responsáveis devem sempre monitorar o que as crianças estão fazendo na internet, o que elas pesquisam, com quem conversam

Atenção ao conteúdo

Se seu filho é um pequeno youtuber, revise o conteúdo que a criança está expondo na internet. Conteúdos que tenham cunho rascista, machista ou homofóbico geram grandes problemas na rede

Releve as críticas

Os pais devem orientar as crianças a não se importarem demais com as críticas, para que elas não desanimem. É interessante passar um filtro e conversar com os filhos sobre as críticas construtivas que receberam

Cuidado nas respostas

É preciso orientar as crianças quanto ao tipo de respostas que elas darão aos comentários que receberam. O ideal é responder as críticas de maneira neutra para não aumentar o problema

E os demais pais

Avalie antes de postar

Muitos pais, ao registrarem momentos engraçados de seus filhos, os compartilham nas redes sociais sem pensar no que aquele conteúdo pode gerar para a criança, como o bullying, por exemplo

Saiba quem vai ver

Antes de compartilhar qualquer foto ou vídeo da criança, certifique-se de que ele só será visto por quem você realmente conhece. Deixe seu perfil das redes sociais restrito à pessoas de seu convívio ou crie lista de “melhores amigos” ou “família” para publicar o conteúdo relacionado à criança só para aquele grupo

Evite fotos que “informam demais”

O primeiro dia de aula do ano letivo ou aquele passeio na praia sempre rendem bons cliques dos pequenos. Mas evite a exposição deles nestes momentos, por causa do uniforme e da roupa de banho. Isto pode atrair a atenção de pedófilos ou de pessoas com más intenções

Cheque o bullying

Ao monitorar a atividade da criança na internet, veja se ela não está sofrendo ou praticando bullying.

Fonte: Extra

Obrigado pela sua participação!