quinta-feira, Maio 24

Indústria da Coamo deve ficar pronta em agosto de 2019 e vai gerar 400 empregos

O grupo Coamo está investindo R$ 650 milhões na indústria

Em construção às margens da BR-163, entre Dourados e Caarapó, a indústria de se soja da Coamo deve ficar pronta até agosto de 2019 e deverá oferecer 400 empregos diretos e fixos. Ainda vai movimentar muitos outros segmentos, como de empresas que poderão dar suporte à indústria.

Na tarde desta quarta-feira, a prefeita Délia Razuk, acompanhada de secretários municipais e técnicos da prefeitura, visitou as obras. A prefeita tomou conhecimento de todos os detalhes do empreendimento em relação a seu funcionamento e, ainda, pode avaliar a dimensão do que representa o investimento de R$ 650 milhões para o município.

Recebida pelo gerente industrial de óleo, Emerson Mansano e por outros diretores de setores da obra, Délia se colocou a disposição do grupo para encaminhar demandas e fazer parcerias.

Numa reunião com toda sua equipe e com os responsáveis pela Coamo, a prefeita se propôs a encaminhar ao governador Reinaldo Azambuja, propostas para alteração no sistema de trânsito nas proximidades da indústria.

Por estar às margens da BR-163, entre Dourados e Caarapó, o tráfego no local é intenso e a via terá que passar por adequações por conta da movimentação na indústria.

Emerson citou que já existem negociações com a CCR MS Via, por se tratar de uma rodovia federal, mas acredita que com apoio do Estado e do município há possibilidade de uma grande parceria na implantação das mudanças.

Outra demanda é sobre a mão de obra especializada e a prefeita já ordenou à sua equipe que faça a intermediação com o Senai e outros integrantes do Sistema “S” para a qualificação, dentro das necessidades da empresa.

Hoje, como relatou o gerente, pelo menos 800 pessoas da região estão empregadas por meio das empresas contratadas para a execução das obras, além da movimentação em outros setores, como hotéis e restaurantes.

Essa nova unidade da Coamo terá uma indústria de processamento para 3 mil toneladas de soja/dia, produção de farelo e óleo e, também, uma refinaria para 720 toneladas/dia de óleo de soja refinado.

O grupo Coamo está investindo R$ 650 milhões para que, com essa nova indústria, a capacidade diária de processamento de soja passe de 5.000 para 8.000 toneladas/dia, o que equivalente a 40 milhões de sacas/ano.

Fonte: Dourados Agora

Obrigado pela sua participação!