domingo, setembro 23

Partidos deixam convenções das eleições para a reta final

O MDB do ex-governador e pré-candidato ao governo de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli, anunciou que fará no dia 21 a convenção do partido. A 15 dias do início do prazo legal para definir oficialmente os candidatos, a maior parte dos dirigentes ainda não tem data marcada para os encontros e o discurso é a de realizá-las no limite, próximo do início da campanha.

É na convenção que se oficializa o nome dos candidatos a deputados estaduais, federais, senador e partidos aliados. O período estipulado pela Justiça Eleitoral vai de 20 de julho a 5 de agosto. A campanha tem início 11 dias depois, ou seja, em 16 de agosto. A indefinição das convenções em Mato Grosso do Sul é um retrato do cenário nacional. As legendas têm encontrado dificuldades para formar coligações.

Foi o próprio Puccinelli que definiu a data da convenção medebista. O ex-governador diz que “a expectativa é de que o processo seja pautado na apresentação de propostas”. A partir daí, o MDB pretende apresentar sugestões que a população tem dado por meio do Programa MS Maior e Melhor, reunir essas informações e mostrar como a legenda pretende propor soluções aos sul-mato-grossenses.

Lançado em maio deste ano, o Programa MS Maior e Melhor tem percorrido todos os municípios de Mato Grosso do Sul com um sistema de consultas à população para elaboração do plano de governo. Vereadores, prefeitos, organizações e representantes da sociedade civil como um todo participam com sugestões em encontros temáticos para expor suas ideias.

“Vamos fazer uma campanha mostrando o que vamos fazer e como vamos fazer. A população não aceita mais promessas vazias”, explicou André, acrescentando que não serão encerradas as consultas à população. “O Programa MS Maior e Melhor continua sendo a nossa principal ferramenta para definir cada uma das nossas prioridades”, finalizou.

Até agora não foi definido quem será o vice de Puccinelli, que poderá ser anunciado já no dia 21. O ex-governador deixou claro que deverá ser da região de Dourados, segundo maior colégio eleitoral do Estado.

André aposta em um nome que tenha conhecimento, experiência e capacidade como principais critérios que vão orientar os entendimentos. Além disso, será um vice de consenso entre todas as forças que apoiam o MDB.

Governador por dois mandatos consecutivos (2007-2014), Puccinelli teve como vice no primeiro pleito o ex-prefeito de Dourados, Murilo Zauith, com quem almeja repetir dobradinha. No entanto, o DEM de Zauith também é muito cobiçado pelo PSDB do atual governador, Reinaldo Azambuja. Nos bastidores políticos a conversa é que Murilo praticamente já teria acertado com Reinaldo.

O ex-prefeito de Dourados já se reuniu com membros do partido e ficou acertado que o DEM definirá por voto o rumo nas eleições. O partido está dividido, pois os deputados federais Tereza Cristina e Luiz Henrique Mandetta são ligados a Puccinelli, enquanto os deputados estaduais Zé Teixeira e Barbosinha declaram apoio a Reinaldo.

Obrigado pela sua participação!