sexta-feira, setembro 21

Justiça proíbe Carrefour de restringir o uso dos banheiros aos trabalhadores

Funcionários da rede de supermercados eram obrigados a se submeter a uma ‘fila eletrônica’ e aguardar serem autorizados a usar o banheiro. Em casos de extrema necessidade, trabalhadores tinham que pedir autorização diretamente ao superior; “Afronta ao princípio da dignidade da pessoa humana”, escreveu juíza.

A Justiça do Trabalho de Osasco (SP) proibiu, em liminar proferida na última sexta-feira (27), que a rede de supermercados Carrefour restrinja o uso de banheiros aos funcionários. A decisão atendeu a uma denúncia deita pelo Sindicato dos Comerciários de Osasco e Região (SECOR).

Nas unidades da rede de Barueri, Carapicuíba, Embu, Itapevi, Jandira, Osasco e Taboão da Serra, os trabalhadores do telemarketing e dos caixas eram obrigados a se submeter a uma ‘fila eletrônica’ para usar o banheiro. Trata-se de um sistema em que os funcionários tinham que registrar seu nome e esperar serem avisados quando poderiam usar o banheiro. Em casos de extrema necessidade, os trabalhadores eram obrigados a pedir autorização ao superior da loja e explicar o motivo da urgência.

“Afronta ao princípio da dignidade da pessoa humana e aos direitos da personalidade”, escreveu, em sua decisão, juíza Ivana Meller Santana, da 5a. Vara do Trabalho de Osasco. Na liminar, a magistrada, além de proibir o Carrefour de continuar com a prática, impôs multa de R$ 5 mil por trabalhador prejudicado caso a liminar não seja cumprida.

“Essa, com certeza, é uma importante vitória para os trabalhadores e trabalhadoras do Carrefour, que já estavam sendo flagrantemente constrangidos com as restrições do empregador no uso do banheiro. É um absurdo que uma empresa pense ter poder sobre as necessidades fisiológicas dos trabalhadores”, disse o presidente do SECOR, José Pereira da Silva Neto.

Obrigado pela sua participação!