sáb. ago 24th, 2019

‘Fui demitida por combater a corrupção’, diz ex-diretora olavista da Apex

O novo presidente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex), o contra-almirante da Marinha Sergio Ricardo Segovia Barbosa, assumiu o cargo nesta segunda-feira e demitiu a diretora de Negócios, Letícia Catelani, apontada como pivô de boa parte das crises pelas quais passou a agência nesses pouco mais de quatro meses de governo.

Também foi oficializada a saída de Márcio Coimbra, diretor de gestão corporativa, que já havia pedido demissão na semana passada.

“A chegada do novo presidente implicará em algumas mudanças na agência, já iniciadas hoje, com a decisão de Segovia de destituir de suas funções os senhores Marcio Coimbra, diretor de Gestão Corporativa, e Letícia Catelani, diretora de Negócios. Em breve serão informados os nomes dos novos ocupantes dos referidos cargos, cuja indicação estará sob responsabilidade do Conselho Deliberativo Administrativo”, diz nota assinada pela assessoria de imprensa da Apex.

Barbosa é o terceiro presidente a assumir a agência, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro, quase um mês depois da demissão do embaixador Mario Vilalva.

Sua nomeação e a demissão dos dois diretores, ligados diretamente ao ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, tira a Apex da influência do chanceler e dá poder aos militares, mesmo que a agência continue vinculada ao Itamaraty.

Acusações no Twitter

Em sua conta oficial no Twitter, Letícia fez críticas à Apex e afirmou que está “pagando o preço por ter combatido incansavelmente a corrupção”.

Combati incansavelmente a corrupção e fechei as torneiras que a alimentavam. Estou pagando o preço. Sofri pressão de dentro do governo pela manutenção de contratos espúrios, além de ameaças e difamações. Não me intimidei! Gratidão pelo apoio e o movimento #somostodosleticia 🙏🏻

A agora ex-diretora, amiga do chanceler, filiada ao PSL e da chamada ala olavista do governo –formada por admiradores do escritor Olavo de Carvalho– chegou a colocar uma porta no andar em que ficavam os diretores que impedia o acesso do presidente da Agência.

Mais  Bolsonaro pode ser responsabilizado por crime contra humanidade

Ao deixar o cargo, Vilalva acusou Ernesto Araújo de “deslealdade” depois de ter os poderes da presidência esvaziados, com a transferência de algumas atribuições para as diretorias. O embaixador descobriu as mudanças pelo Diário Oficial.

O primeiro presidente da agência, Alecxandro Carreiro, ficou pouco mais de uma semana no cargo, apesar de ter sido apontado diretamente por Bolsonaro por indicação de seu filho, Eduardo. Ao chegar, demitiu 17 funcionários –entre eles os mais antigos da agência–, planejou outras 19 demissões, nomeou 11 pessoas ligadas diretamente e pretendia contratar outros 12. Mais uma vez, bateu de frente com os diretores e foi demitido porque, entre outros problemas, não falava inglês.

Na nota em que aponta as mudanças, a Apex destaca que Barbosa, 55 anos, tem pós-graduação em Política e Estratégia pela Escola Superior de Guerra, é fluente em inglês e espanhol e tem experiência nas áreas militar, gerencial e governamental.

A menção à fluência não é à toa. Antes mesmo do contra-almirante assumir o cargo, boatos vindos da agência começaram a surgir, um deles de que não seria fluente em inglês, uma das exigências legais para o posto.

A Apex tem um orçamento de 500 milhões de reais este ano, em recursos vindos diretamente do Sistema S, para promoção das exportações brasileiras no exterior. Os recursos são separados do Orçamento da União e, com função específica, não estão sujeitos a cortes ou contingenciamentos.

Com REUTERS

Fonte: Yahoo

Sobre este editor

Carlos Telles
Minhas últimas notícias
Mais  Presidente da França convoca G7 para discutir destruição da Amazônia: ‘É uma crise internacional’

Deixe uma resposta