dom. set 15th, 2019

Governo pagará para emissoras defenderem reforma da Previdência

Para defender a Reforma da Previdência, o governo de Jair Bolsonaro vai investir ações de merchandising com artistas em programas da TV aberta, como SBT, Record e Band, com exceção da Rede Globo.

Já estariam escalados para as apresentar o ‘merchan’ do polêmico projeto os apresentadores Milton Neves e José Luiz Datena (Band), Luciana Gimenez (RedeTV), Ratinho (SBT), Rodrigo Faro, Ana Hickmann e Renata Alves (Record), conforme publicou o jornal Meio & Mensagem.

Segundo a publicação, a Secretaria de Comunicação do Governo (Secom) esclareceu que Globo ficou de fora desta etapa da campanha devido às regras da política comercial da emissora, que vetam a participação de seus apresentadores em propagandas do governo.

R$ 40 MILHÕES EM PROPAGANDA

O empenho do governo para aprovar a reforma da Previdência já soma R$ 40 milhões em publicidade. Embora o valor seja alto, a quantia é considerada pelo mercado dentro dos padrões para uma campanha deste porte, com alcance nacional. Um dos filmes da campanha está no ar desde março.

Os novos comerciais serão veiculados em rádio, televisão, jornais e internet, com o slogan “Nova Previdência, pode perguntar”, como uma tentativa de esclarecer pontos da proposta para a população. Apesar de não fazer parte do grupo de emissoras que vão divulgar o merchan, a Globo exibirá a campanha publicitária em seus intervalos, que devem ir ao ar na segunda quinzena de maio.

SUSPENSÃO DE CAMPANHA

O PSOL já se posicionou contra a publicidade do governo, e afirmou que tentará proibir a veiculação da campanha. Para o partido, “o merchandising se caracteriza como propaganda subliminar que tenta induzir as pessoas a aceitar ou consumir algo por indicação de outra pessoa”, e explicou que “a ação será fundamentada no desvio de finalidade e abuso de autoridade”.

Mais  Maia diz que será difícil aprovar CPMF na Câmara

Segundo o partido, a “iniciativa do governo fere o artigo 37 da Constituição Federal e outras legislações”.

Fonte: Portal UOL