sáb. jul 20th, 2019

Secretário da Desestatização do governo é o novo presidente do BNDES

Gustavo Henrique Moreira Montezano vai substituir Joaquim Levy no comando do banco após o economista e ex-ministro de Dilma pedir demissão

O ministro da Economia, Paulo Guedes, escolheu, nesta segunda-feira 17, o novo presidente do BNDES. O economista Gustavo Henrique Moreira Montezano vai substituir Joaquim Levy no comando do banco após o economista e ex-ministro de Dilma pedir demissão.

Montezano é o atual secretário especial adjunto de Desestatização e Desinvestimento do governo e é mestre em Economia pela Faculdade de Economia e Finanças do Ibmec-RJ. Graduado em Engenharia pelo Instituto Militar de Engenharia (IME-RJ), ele também foi sócio diretor do BTG Pactual.

Na presidência do banco, Montezano terá como prioridades privatizações, desinvestimentos, Infraestrutura, saneamento e reestruturação financeira de estados e municípios.

A primeira baixa na equipe econômica de Guedes

Montezano vai substituir Joaquim Levy, que na manhã deste domingo 16 enviou uma carta para o ministro Guedes anunciando sua demissão. A saída de Levy se deu pelo fato de Bolsonaro ter criticado sua indicação de Marcos Barbosa Pinto para a diretoria de Mercado de Capitais do banco. O escolhido trabalhou no BNDES durante a gestão do governo do PT e foi um auxiliar na criação do ProUni, principal bandeira de Lula na educação.

No sábado, o presidente deu uma entrevista dizendo estar “por aqui” com Levy e afirmou que se ele não demitisse Barbosa, seria demitido. “O governo tem que ser assim. Quando coloca gente suspeita em cargos importantes, e essa pessoa não for leal aquilo que havia sido combinado e aquilo que ele sabe ao meu respeito, ele está com a cabeça à prêmio já faz um tempo”, disse Bolsonaro

A saída de Levy é a primeira baixa na equipe econômica de Paulo Guedes, o que aumenta a crise interna no governo e pode respingar na aprovação da reforma da Previdência. Em sua carta enviada a Guedes, Levy agradece a oportunidade e deseja sorte para a aprovação das reformas.

Mais  ‘Pretendo beneficiar um filho meu, sim’, diz Bolsonaro

Fonte: Carta Capital