sáb. jul 20th, 2019

Oposição vai obstruir votação da ‘reforma’ da Previdência

Para a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), tentativa da base governista de adiar a votação para amanhã é uma demonstração de que o governo está inseguro sobre o número de votos

São Paulo — Sem chegar a um acordo com o governo em relação à PEC 6/2019, da “reforma” da Previdência, partidos de oposição anunciaram que vão obstruir a votação da proposta, prevista para esta terça-feira (9). Na reunião de líderes realizada hoje pela manhã, o governo propôs que a obstrução fosse retirada para que os parlamentares debatessem o texto, com a votação ficando para amanhã. A prática da obstrução consiste em um conjunto de procedimentos que incluem requerimentos diversos de adiamento de votação, de retirada de pauta e de verificação de votação.

Segundo a líder da Minoria, deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), a tentativa de negociação por parte do Planalto é uma demonstração de que o governo está inseguro sobre o número de votos e por isso propôs adiar a votação para amanhã. Ela explicou que muitos deputados e deputadas são contrários a pontos como as alterações na pensão por morte. “Eles não querem votar uma série de pontos no texto, que envolvem viúvas, órfãos, porque a pensão por morte é uma das maiores crueldades, pois coloca a pensão por morte abaixo do salário mínimo”, criticou.

“O governo hoje não tem os votos. O governo quer ganhar por métodos não republicanos e não temos controle sobre isso. Mas o nosso papel de oposição vamos cumprir. Vamos tentar os dissidentes dessas legendas, os evangélicos e todos aqueles que não querem votar contra as mulheres, os professores e os profissionais de segurança”, disse a líder.

Já a líder do governo no Congresso Nacional, deputada Joice Hasselman (PSL-SP), avaliou que a reforma será aprovada. Ela aposta que o texto base terá apoio de 342 votos, incluindo votos de parlamentares de partidos da oposição.

Mais  Novos áudios da Vaza Jato revelam conversas impróprias entre Deltan e Gebran

Com informações da Agência Câmara

Fonte: RBA