ter. ago 20th, 2019

Professores estão mobilizados para sair às ruas hoje em defesa da educação e aposentadorias

Mobilização de 15 de maio na Paulista: com seus ataques à educação, Bolsonaro acabou por unir estudantes e professores em protestos históricos

“Entre a avalanche de absurdos, estão a clara intenção de privatizar o ensino, a ameaça à aposentadoria dos professores, a falta de investimentos nas escolas e, recentemente, os ataques promovidos contra a liberdade de cátedra”, afirma a Apeoesp

São Paulo – A ofensiva do governador de São Paulo, João Doria, e do presidente Jair Bolsonaro contra a educação pública tem sido intensa e os ataques vêm de todos os lados. Essa é a análise do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), que convocou os professores para participar dos protestos em defesa da educação e contra a reforma da Previdência nesta terça-feira (13).

Em São Paulo, o ato se realiza a partir das 15h, no vão livre do Masp, na Av. Paulista. Lá, a categoria se somará a estudantes e demais profissionais da educação para, juntos, seguirem em caminhada até a Praça da República.

“Entre a avalanche de absurdos, estão a clara intenção de privatizar o ensino, a ameaça à aposentadoria dos professores, a falta de investimentos nas escolas e, recentemente, os ataques promovidos contra a liberdade de cátedra”, afirma o sindicato em nota.

Segundo a Apeoesp, no Estado de São Paulo, sem dialogar com a comunidade escolar, Doria tem violado a liberdade de ensinar e aprender ao permitir que Coordenadores Pedagógicos ingressem nas salas de aulas para supervisionar o trabalho dos professores e, posteriormente, preencher um questionário atribuindo uma nota de zero a quatro com sua visão unilateral e subjetiva do trabalho do docente.

Na prática, a determinação de Doria é semelhante à farsa do  projeto derrotado “escola sem partido”, adverte o Sindicato, que tinha como objetivo minar o livre debate nas salas de aula ao estabelecer a vigilância sobre os professores que, segundo os idealizadores, deveriam ser punidos por suposta “doutrinação” de estudantes.

Mais  Moro convoca Força Nacional para reprimir estudantes na Esplanada dos Ministérios

“É importante destacar que  a Constituição Federal de 1988 e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional asseguram a liberdade do professor para preparar e ministrar suas aulas. Portanto, dentro da sala de aula o docente tem autonomia e autoridade perante seus alunos”, afirma a Apeoesp.

“Nós não vamos aceitar esse ataque do governo Doria à liberdade de cátedra, aos direitos dos professores e à própria função de Coordenador Pedagógico, que antes de qualquer cargo também é um educador. Os professores não devem participar da implantação dessa medida autoritária e antipedagógica. Nós já protocolamos uma representação no Ministério Público para que o Estado reveja essa decisão”, disse a presidenta da Apeoesp e deputada estadual,  Maria Izabel de Azevedo Noronha, a Bebel.

REGISTRADO EM:  
Fonte: RBA