dom. set 15th, 2019

Administrador de grupos de fake news critica Bolsonaro: “Nem com o PT a Lava Jato esteve tão ameaçada”

Carlos Nacli, administrador de grupos de fake news pró Bolsonaro (Montagem)

De Portugal, Carlos Nacli administrou mais de 50 grupos de whatsapp, que atingiam cerca de 10 mil pessoas, propagando fake news durante a campanha de Bolsonaro. Com 8 meses de governo, ele já demonstra arrependimento

De Portugal, ele administrou mais de 50 grupos de whatsapp, que atingiam cerca de 10 mil pessoas, propagando fake news durante a campanha política de Jair Bolsonaro para a Presidência da República em 2018. Mas, passados pouco mais de 8 meses, Carlos Nacli parece estar arrependido e, em entrevista Affonso Benites no jornal El País desta quarta-feira (11), critica o governo, o senador Flávio Bolsonaro e o que ele considera como ameaças à Lava Jato, “para nós, o estandarte de esperança” no país.

“É com muita tristeza que digo que nem no Governo do PT a Lava Jato esteve tão ameaçada”, disse o ex-empresário de lutas de vale-tudo, que teve a identidade revelada em reportagem da Fórum durante as eleições.

Segundo ele, tudo começou com a “culpa” assumida pelo senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) ao acionar a Justiça para barrar as investigações no caso Queiróz.

“O senador Flávio Bolsonaro desde que foi pego no caso Queiroz ao invés de usar o lema tão defendido pelo seu pai “conhecereis a verdade e ela vos libertará” tem feito exatamente o contrário”, diz, ressaltando que o filho de Bolsonaro “está se protegendo pelo foro privilegiado e enrolando como pode o STF”.

“Isso para nós, que lutamos tanto em defesa da Lava Jato e a favor de uma limpeza no país, já serve como prova de culpa. Já diz o ditado: “Quem não deve não teme””.

Nacli diz ainda que as críticas sobre Flávio Bolsonaro, que por ter sido beneficiado pelo STF estaria relutando em assinar a CPI da Lava Toga, atingem diretamente o governo.

Mais  Jessé Souza: ‘Vestir preto porque nossa pátria está sendo saqueada. Estão roubando o futuro e o presente’

“Acredito que o Governo Bolsonaro tem que escolher qual lado ele quer ficar, se do lado do visível acordão comandado pelo centrão ou do lado do povo. O povo em sua maioria está cansado de ser enganado e manipulado e quanto mais tempo demorar para o Governo deixar claro qual lado está, maior será o desgaste”.

Fake News
Administrando grupos bolsonaristas durante as eleições, Nacli disse que a atuação nas redes é “voluntária”, para combater “notícias no mínimo tendenciosas para não falar maldosas no intuito de desconstruir o Bolsonaro”.

Ele admite que há uma guerra virtual nas eleições entre a “grande mídia tendenciosa” e a mídia nas redes sociais, “onde tem de tudo, mas com certeza é mais democrática e está se mostrando mais poderosa”. “Temos a certeza que esse efeito multiplicador das redes sociais é mais forte que qualquer grande grupo, ainda mais quando eles lançam notícias maldosas. Em resumo, nosso trabalho aqui é fazer o feitiço virar contra o feiticeiro”, diz.

Ele disse ainda ter se mudado para Portugal – país administrado por uma coalizão política de esquerda – porque o “Brasil está muito ruim”. “Lá, independentemente de ideologias, o básico que todo ser humano deveria ter, tem”, diz, antes de declarar que não pretende voltar ao Brasil, mesmo com uma vitória de Bolsonaro.

Fonte: Revista Fórum

Sobre este editor

Carlos Telles
Minhas últimas notícias
Mais  Seleção brasileira perde terceira partida sob comando de Tite