dom. nov 17th, 2019

Ataques na Arábia Saudita chamam a atenção para ‘guerra esquecida’ no Iêmen

Bloqueio de alimentos e medicamentos levou à radicalização das ações contra a Arábia Saudita, segundo analista

Especialista em Relações Internacionais, Giorgio Romano não acredita em escalada do conflito na região e apela para fim da violência contra grupo iemenita

São Paulo – Rebeldes houthis do Iêmen reivindicaram um ataque com drones às duas principais refinarias de petróleo da Arábia Saudita. Ocorridos no último sábado, os ataques obrigaram os sauditas a reduzirem em 50% a sua produção de petróleo e gás. O país responde por cerca de 10% da produção mundial. Nesta segunda-feira (16), o preço do barril de petróleo chegou a disparar 20% em Londres, a maior alta desde a Guerra do Golfo, em 1991, alcançando a cotação de US$ 72. Ainda durante a manhã, os preços haviam cedido, mas estavam cerca de 10% maiores do que os registrados na sexta-feira (13), antes do ataque.

Os houthis são xiitas, e lutam há quatro anos por autonomia e liberdade contra um governo sunita apoiado pela Arábia Saudita, que utiliza armamentos comprados dos Estados Unidos. O presidente dos Estados Unidos Donald Trump, afirmou, pelo Twitter, que os EUA estão “prontos para disparar” com o objetivo de defender as reservas sauditas. Um alto funcionário da administração Trump afirmou à rede que os ataques partiram do Irã, que apoia os houthis.

Segundo o professor de Relações Internacionais e Economia da Universidade Federal do ABC (UFABC) Giorgio Romano, os ataques chamam a atenção para uma “guerra esquecida”, que já dura quatro anos, e tem provocado uma crise humanitária de grandes proporções no Iêmen. A Arábia Saudita vem bloqueando os portos do país, impedindo a entrada de alimentos e de medicamentos.

“Do ponto de vista do ataque, chama muito a atenção o uso de drones contra instalações estratégicas. Também chama a atenção a precisão, que atingiu o coração da produção do país. Desmobilizou 50% da produção da Arábia Saudita, que corresponde a 5% da produção mundial. Isso mostra para onde vai o novo tipo de guerra. As guerras de precisão não são mais um privilégio apenas dos Estados Unidos, que fizeram uso dessa tecnologia no Afeganistão e no Iraque. É uma tecnologia agora disponível a outros grupos”, afirmou Romano em entrevista à jornalista Marilu Cabañas, para o Jornal Brasil Atual, nesta segunda-feira (16).

Mais  ‘Brasil não tem um problema econômico, tem consequências econômicas de um impasse político’

Ele diz que uma uma guerra de grandes proporções não interessa aos Estados Unidos nem ao Irã. “A única solução é os Estados Unidos e a Inglaterra começarem a convencer a Arábia Saudita que não há como ganhar essa guerra. A única solução, portanto, é um acordo de paz”, disse o analista, membro do grupo Reflexão sobre Relações Internacionais (GR-RI).

Fonte: RBA