seg. out 21st, 2019

USP detecta bactérias resistentes à limpeza e celular como fonte de contaminação em UTIs

Estudo publicado no Reino Unido alerta sobre a necessidade de revisão dos procolos de higiene. Pesquisadores coletaram amostras dentro do Hospital das Clínicas em Ribeirão Preto (SP).


Pesquisa da USP identifica bactérias resistentes à limpeza em UTIs em Ribeirão Preto

Pesquisa da USP identifica bactérias resistentes à limpeza em UTIs em Ribeirão Preto

Um mapeamento realizado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital das Clínicas da USP em Ribeirão Preto (SP) identificou que a maioria das bactérias está resistente à limpeza diária e que o celular é uma das principais fontes de contaminação nesses ambientes.

Os resultados do estudo foram publicados em artigo na revista inglesa “Fronteiras na Saúde Pública”, em agosto deste ano. Segundo o pesquisador Lucas Ferreira Ribeiro, o objetivo do grupo é alertar profissionais da saúde sobre a importância da revisão constante dos protocolos de higiene.

“Às vezes, o contato com determinado paciente e o toque em outras superfícies dentro da própria UTI, você pode criar contaminações cruzadas dentro deste ambiente. Então, há a necessidade de estar vigilante e comprometido com a higienização adequada”, diz.

A pesquisa destaca ainda que o uso de antibióticos não é o único fator que torna as bactérias resistentes. O uso do mesmo produto químico diariamente também leva os microrganismos – principalmente os que são potencialmente mais preocupantes – se tornarem adaptados e ele.

Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no Hospital das Clínicas da USP em Ribeirão Preto — Foto: Antônio Luiz/EPTVUnidade de Terapia Intensiva (UTI) no Hospital das Clínicas da USP em Ribeirão Preto — Foto: Antônio Luiz/EPTV

Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no Hospital das Clínicas da USP em Ribeirão Preto — Foto: Antônio Luiz/EPTVPara mapear as comunidades de microrganismos, o grupo coletou amostras de superfícies que devem ser limpas diariamente, como colchões, camas, maçanetas e respiradores, em dias de funcionamento normal, sem que as equipes de enfermagem fossem avisadas.

Mais  Dilma após nova Vaza Jato: Lava Jato teve colaboração promíscua com suspeitos de corrupção

Também foram recolhidas amostras das superfícies de computadores, celulares e pastas de prontuários que estavam nas UTIs, assim como dos jalecos utilizados pelos profissionais. As coletas ocorreram antes e logo após a limpeza diária com produtos específicos.

“Observamos que na UTI pediátrica havia uma diversidade maior de microrganismos e isso pode estar relacionado à entrada e à saída maior de visitantes. Em ambos encontramos esses microrganismos relacionados com infecções hospitalares”, afirma Ribeiro.

Unidade de Terapia Intensiva (UTI) neonatal em Ribeirão Preto — Foto: Antônio Luiz/EPTVUnidade de Terapia Intensiva (UTI) neonatal em Ribeirão Preto — Foto: Antônio Luiz/EPTV

Unidade de Terapia Intensiva (UTI) neonatal em Ribeirão Preto — Foto: Antônio Luiz/EPTV

O pesquisador destaca que muitas bactérias podem estar em visitantes saudáveis e não gerar nenhum tipo de problema, mas, em ambiente de UTI, especialmente pediátrica, esses microrganismos oferecem mais risco, devido à vulnerabilidade dos pacientes.

“Mesmo após a limpeza, não houve a diminuição efetiva de bactérias relacionadas com infecção hospitalar. Então, há a necessidade de rever esses protocolos, buscar outros mais eficientes ou mesmo ter rotatividade, não só de limpeza, mas da parte de higienização”, diz.

A pesquisa utilizou técnicas de sequenciamento genético de última geração que permitem identificar uma quantidade maior de gêneros e espécies de microrganismos, em comparação com os testes atuais, em que são realizados cultivos de bactérias em laboratório.

“Cabe destacar que nenhum hospital é completamente estéril. Já se sabe que o hospital tem uma impressão digital que é diferente em cada ambiente, porém, todos compartilham de uma microbiota”, detalha a microbiologista Maria Eugênia Guazzaroni.

USP mapeia bactérias em UTI no Hospital das Clínicas em Ribeirão Preto — Foto: Antônio Luiz/EPTVUSP mapeia bactérias em UTI no Hospital das Clínicas em Ribeirão Preto — Foto: Antônio Luiz/EPTV

USP mapeia bactérias em UTI no Hospital das Clínicas em Ribeirão Preto — Foto: Antônio Luiz/EPTV

A partir dos resultados, os pesquisadores querem conscientizar os funcionários dos hospitais, principalmente aqueles que trabalham com a limpeza, sobre a importância de seguir os protocolos de higiene e esterilização.

Mais  DOI-Codi vai às salas de aula na era das escolas militarizadas

Outro dado importante do estudo é que o celular é uma das vias de contaminação mais comum. Por isso, profissionais da saúde e até mesmo familiares dos pacientes devem estar atentos para nunca manusear os aparelhos dentro das UTIs.

“Pega o telefone, dá uma olhada e naquele momento acaba de contaminar o aparelho. Se ele contaminou o aparelho, ou vai levar para casa, ou vai andar em outro quarto e pode ter o aparelho como fonte de contaminação”, afirma o pesquisador Rafael Silva Rocha.

Doutor em biologia molecular pela Universidade Autônoma de Madrid, na Espanha, Rocha alerta que os jalecos nunca devem ser usados pelos profissionais da saúde fora do ambiente hospitalar. Isso porque, também carregam inúmeras bactérias.

“O jaleco é um material de proteção pessoal e tem que ser tratado como algo altamente contaminado. Não é enfeite, não é só para mostrar que está sendo usado. Ele tem que ser usado para proteger a si mesmo e outras pessoas, e não tratar como acessório de moda”, diz.

USP de Ribeirão Preto aponta celular como uma das principais fontes de contaminação em UTI — Foto: Antônio Luiz/EPTVUSP de Ribeirão Preto aponta celular como uma das principais fontes de contaminação em UTI — Foto: Antônio Luiz/EPTV

USP de Ribeirão Preto aponta celular como uma das principais fontes de contaminação em UTI — Foto: Antônio Luiz/EPTV

Fonte: G1

Sobre este editor

Carlos Telles
Minhas últimas notícias
Mais  Lula é o principal nome da esquerda e Bolsonaro perde para Moro em 2022, diz pesquisa