seg. out 21st, 2019

Projeto que altera Lei de Telecomunicações pode comprometer universalização

Normas devem, agora, ser estabelecidas pela Anatel. Então, ainda é cedo para saber se o acesso a todos vai estar garantido

aprovação do PLC 79/2016, em setembro, e sua sanção na última sexta-feira (4) modifica a Lei Geral de Telecomunicações (LGT) e pode atingir de forma significativa o consumidor final. Isso porque, a partir de agora, concessionárias de telefonia fixa podem deixar o regime público e passar para o privado.

A LGT é de 1997 e, de lá para cá, a tecnologia evoluiu muito. A atualização das regras, então, é necessária. Com a sanção do PLC, entretanto, todas as concessionárias de telefonia fixa podem se tornar privadas. “Até agora, havia dois formatos, o público e o privado”, diz Marcia Andrade, advogada e sócia do escritório M. Andrade Sociedade de Advogados. “Nesse modelo, as companhias que prestam serviço na área pública têm obrigações que as privadas não têm.”

Marcia explica que o maior impacto pode ser na universalização dos serviços. “Empresas que atuam no serviço público têm de garantir que as telecomunicações cheguem a todos os lugares do país. Ou seja, mesmo os rincões mais distantes devem ter orelhões para que as pessoas tenham acesso à tecnologia.”

Com a sanção, a obrigatoriedade da universalização deixa de existir e, em seu lugar, entram outros requisitos — que ainda não foram debatidos e devem ser definidos antes de o PLC se transformar em lei. “Ainda não está claro até onde essa alteração vai comprometer o serviço”, alerta Marcia. “Se os requisitos dispostos na lei garantirem o acesso a todos, não deve haver prejuízo. Ainda é cedo para saber, entretanto.”

De acordo com a Constituição Federal

Agora que o PLC foi sancionado, ele deve ser regulamentado. Quem atua nesse caso é a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que vai definir como devem ser feitos os investimentos pertinentes. “Ainda é preciso determinar as regras. Com a evolução tecnológica, talvez não faça mais sentido instalar orelhões, mas sim investir em banda larga, por exemplo”, avalia Marcia.

Mais  Tesla vai atualizar seu sistema de limpadores automáticos

Todo esse processo leva em conta a necessidade de proteger o consumidor — o que é uma exigência constitucional. As telecomunicações têm uma função social e ela deve ser a base para o estabelecimento de normas relacionadas.

Por isso, existe uma preocupação com a garantia da universalização dos serviços, mas Marcia diz que, por enquanto, é preciso esperar por mais detalhes. “Se houver mais variedade na oferta e preços mais competitivos, pode ser uma boa notícia. E se houver risco de prejuízo ao cidadão, o Ministério Público (MP) pode agir para corrigir isso.”

De forma geral, ainda há apreensão a respeito da novidade, mas a abertura do mercado e a modernização são aspectos positivos trazidos pelo PLC. Isso, claro, desde que sejam mantidos os investimentos na universalização para garantir que todos os cidadãos brasileiros tenham acesso a esses serviços.

Fonte: Olhar Digital