sex. nov 15th, 2019

PDT Livre!

Um líder pacifica e o Brasil precisa de paz (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)

O linguista Gustavo Conde afirma que Ciro, com sua truculência verbal, vai implodindo o PDT como Bolsonaro implodiu o PSL. Ele diz: “pirracento, agressor, infantil e ciumento, Ciro Gomes vai implodindo o PDT como Bolsonaro implodiu o PSL. A diferença é que o PSL é um amontoado de interesses puramente privados e o PDT tem uma história a zelar”

Há um outro preso político no Brasil, além do ex-presidente Lula. É o PDT. O partido que um dia já teve em suas fileiras Leonel Brizola e Darcy Ribeiro está de joelhos para o oportunismo violento de um coronel solitário e verborrágico, quase um alter ego do patrono-mor das fake news, Jair Bolsonaro.

Posso, humildemente, confessar que percebi o mergulho no precipício moral dado por Ciro Gomes há dois anos, quando começou a atacar Lula e o PT com o velho ímpeto domesticado dos Odoricos Paraguaçus de quartel, revestido de ódio, inveja e covardia.

Fico assaz admirado com as passadelas de mão na cabeça desse impostor, delicadamente desferidas pelos mais improváveis quadros carinhosos do próprio PT. Destaque-se a fibra leonina de Gleisi Hoffmann, que já praticou deliciosas voadoras no peito do fugidio ex-tucano.

Discurso encomiástico é uma maldição. Ciro Gomes vem se autoelogiando de maneira obsessiva há décadas. Rastrear esse distúrbio do discurso é elemento suficiente para descartar seu enunciador como agente político digno de alguma confiança.

Esse ethos delinquente e beligerante, agonicamente representado de maneira vulgar por um homem que perdeu o controle, foi (e é) imensamente responsável pela violência política cirista que contribuiu em muito para a manutenção derradeira do antipetismo (essa doença social) e, consequentemente, para a eleição do fascismo 4.0 do seu Jair, filhos e pústulas ministeriais.

Mais  Anac abre consulta pública para rever regras de uso dos drones no país

Tentar dialogar com um cirista foi (e é) muito mais difícil do que tentar conversar com um bolsonarista. A senha para o ódio ao PT foi muito mais elaborada nas trincheiras ciristas: ali, eles odeiam com todas as vísceras Lula e o PT, porque eles não querem apenas a vitória eleitoral, mas querem o discurso, querem o afeto que lhes é negado, querem a dimensão política avassaladora de Lula que jamais terão, nem aqui nem em Paris.

Pirracento, agressor, infantil e ciumento, Ciro Gomes vai implodindo o PDT como Bolsonaro implodiu o PSL. A diferença é que o PSL é um amontoado de interesses puramente privados e o PDT tem uma história a zelar.

Ciro Gomes não encaixa mais em um partido como o PDT, mesmo com todos os problemas que o PDT apresenta na sua agenda confusa em defesa dos direitos trabalhistas e da democracia.

Talvez, seja a hora de pedirmos ‘PDT Livre’.

Permanecer sequestrado por tamanha força desagregadora e individualista me parece miseravelmente uma prisão política, uma a mais em nosso horizonte já tão contaminado por injustiças, abusos e imposturas de toda sorte.

Fonte: Brasil 247