ter. nov 19th, 2019

Bivar divulga gastos do PSL com advogada de Bolsonaro e acirra crise no partido

Karina Kufa representa o presidente da República e tem seu salário de 40 mil reais por mês pago pela sigla

O presidente do PSL, o deputado federal Luciano Bivar, divulgou em um grupo de parlamentares um relatório de gastos do partido com a advogada Karina Kufa, que representa o presidente Jair Bolsonaro.

Além de receber R$ 40 mil por mês, a jurista firmou contrato de R$ 200 mil para apresentar ações diretas de inconstitucionalidade no STF (Supremo Tribunal Federal). A advogada fez também 1 acordo de R$ 100 mil para defender a senadora Juíza Selma (PSL-MT), acusada de abuso de poder econômico e caixa 2 nas eleições de 2018.

A informação,  divulgada pela jornalista Mônica Bergamo no jornal Folha de S. Paulo, mostra que os recursos de R$ 340 mil teriam saído do caixa do PSL de São Paulo. De acordo com a assessoria de Bivar, os números são oficiais.

Ao jornal Folha de S. Paulo, a assessoria de Kufa disse que os valores que somam R$ 340 mil “são totalmente correspondentes aos praticados no mercado de Brasília”.

Contratada pelo PSL, Karina Kufa ganhou a confiança do presidente da República por seu trabalho na campanha eleitoral de 2018. Ela era responsável pelo partido no âmbito nacional junto ao ex-ministro Gustavo Bebianno (Secretaria Geral). Com a demissão de Bebianno em fevereiro, Karina assumiu o controle jurídico da legenda.

Crise na legenda

Essa é uma reposta do parlamentar ao presidente, que junto com outros 21 deputados pediu ao PSL acesso às contas do partido para auditoria. O comando da legenda decidiu contra-atacar. Vai pedir auditoria nas contas da campanha presidencial do ano passado.

Nesta semana, Bolsonaro e Bivar fizeram declarações públicas que geraram uma crise no partido. Bolsonaro, por exemplo, disse que o presidente do PSL está “queimado para caramba”. Bivar, por sua vez, disse que Bolsonaro “já está afastado” do partido.

Mais  Invasor da embaixada da Venezuela foi recebido por Mourão como representante de Direitos Humanos de Guaidó

Fonte: Carta Capital