ter. fev 19th, 2019

Governo estuda isenção de vistos para EUA e outros 3 países

Os ministros do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, e das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, discutiram
nesta quinta-feira (17) a isenção completa de vistos, sem exigir reciprocidade, para turistas vindos dos Estados Unidos, Canadá, Japão e Austrália.

A proposta, segundo a revista Exame, engloba quatro países considerados estratégicos para o turismo no Brasil e faz parte das prioridades de Bolsonaro para os cem primeiros dias de governo. Segundo Marcelo Álvaro Antônio, a negociação pode acontecer ainda em 2019.

Desde 2017, esses países já contam com um sistema totalmente virtual para emissão de vistos, focado
na redução da burocracia. O tempo estimado para os processos fazer o pedido, apresentar os
documentos e aguardar a liberação é de 72 horas.

Entre os detalhes que ainda serão analisados pelos ministros, estão os critérios de escolha de quais países receberão a isenção completa, os riscos de um fluxo migratório de determinado país para o Brasil e os impactos econômicos dessa medida para o Brasil.

Em 2016, turistas americanos, canadenses, japoneses e australianos tiveram livre acesso ao País para
acompanhar as Olimpíadas do Rio. Na época, foi sancionada uma lei que liberava o visto unilateralmente por 90 dias.

No âmbito financeiro, o governo afirma que, desde a implementação do visto eletrônico para os quatro países, em dezembro de 2017, os pedidos aumentaram 41% em um ano. A projeção, segundo eles, é de que, se todos esses turistas extras que pediram o visto eletrônico de fato viajarem para o Brasil, poderiam incrementar a receita do setor em US$ 71 milhões (cerca de R$ 265 milhões).

Mesmo com a repercussão negativa das declarações do presidente Bolsonaro de que “a China quer comprar o Brasil”, o gigante asiático também é alvo da facilitação de entrada ao País. De acordo com a revista Exame, o Ministério do Turismo levará ao Itamaraty uma proposta de acesso ao visto eletrônico a turistas da China e da Índia.

Mais  Sonegação, falcatruas e renúncias tiram mais de R$ 85 bi do INSS

Fonte: Yahoo

Notícias parecidas