ter. fev 19th, 2019

Japão decide retomar caça de baleias para fins comerciais

Após 30 anos, o Japão anunciou que vai se retirar da Comissão Internacional da Baleia em 2019 e vai retomar a prática de caça da espécie para fins comerciais.

De acordo com o comunicado do governo, o país planeja retomar a caça das populações “saudáveis” em águas próximas do seu território, e não no Oceano Antártico.

O Greenpeace criticou a decisão do Japão de sair da Comissão.

“A declaração está em descompasso com a comunidade internacional, sem falar na proteção necessária para salvaguardar o futuro de nossos oceanos e dessas criaturas grandiosas”, disse Sam Annesley, diretor executivo do Greenpeace Japão.

“Os oceanos enfrentam múltiplas ameaças, como acidificação e poluição plástica, além da sobrepesca. Como um país cercado por oceanos onde as vidas das pessoas dependem muito dos recursos marinhos, é essencial que o Japão trabalhe em prol de oceanos saudáveis. O governo do Japão até agora não conseguiu resolver esses problemas.”

Para o diretor executivo da Australian Marine Conservation Society, as baleias “enfrentam um número maior de ameaças hoje do que em qualquer outro período. As mudanças climáticas, as complicações nas redes de pesca, a poluição plástica, o ruído subaquático e as colisões de navios ameaçam nossos gigantes oceânicos. Nossas baleias precisam que os países trabalhem juntos.”

O Japão pressionou a Comissão durante anos para poder caçar espécies de baleias mais populosas, mas foi criticado pela Austrália e Nova Zelândia.

Mais recentemente, um movimento liderado pelo Japão para facilitar algumas regras da caça também foi rejeitado em setembro.

Apesar da moratória da Comissão, o Japão ainda matou centenas de baleias nos últimos anos por meio de uma brecha do tratado que permite as caças “científicas” no Oceano Antártico.

Mais  Tóquio vai fazer todas as medalhas das olimpíadas de 2020 com lixo eletrônico

Fonte: Yahoo

Notícias parecidas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *