ter. fev 19th, 2019

Novatos disputam microfone e fazem selfies em primeiro debate na Câmara

A deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) subiu na tribuna da Câmara para falar às 15h36. Usou o tempo de fala para dar recado à oposição: “A vida do PT não será fácil nessa Casa”, afirmou.

Às 16h10, o vídeo já estava disponível nas redes sociais da parlamentar, que tem 288 mil seguidores no Twitter. “Não preciso de muito tempo para dar o meu recado”, escreveu.

Esse foi o tom da primeira sessão de debates da Câmara na 56ª Legislatura, nesta terça-feira (5). Com o plenário mais cheio do que o normal em dias em que não há deliberação sobre projetos, deputados recém-chegados disputaram o microfone da tribuna para fazer suas primeiras falas e fizeram vídeo-selfies para as redes sociais.

A base do governo de Jair Bolsonaro (PSL) era a mais presente no plenário desde a abertura da sessão.

Além de Joice, também usaram o tempo de fala outros deputados conhecidos das redes sociais, como Kim Kataguiri (DEM-SP), Alexandre Frota (PSL-SP) e Marcel Van Hattem (Novo-RS).

Em seu discurso, Frota afirmou ter formado um grupo de parlamentares para “fiscalizar” as condições dos presos da Lava Jato em Curitiba.

Já Kataguiri defendeu a reforma da Previdência e usou o tempo para falar sobre o pai, que morreu há dois anos. “Eu me sinto triste por ele não estar aqui para ver a minha posse, mas ele pode ter certeza que eu vou seguir com a honra e com a moral que ele me ensinou a vida inteira.”

As discussões acaloradas entre base e oposição também já começaram –e foram protagonizadas por veteranos. Um bate-boca irrompeu no plenário quando o deputado Valmir Assunção (PT-BA) subiu à tribuna e discursou em defesa do ex-presidente Lula.

Mais  Redução das desigualdades sociais é prioridade para o PDT

Do chão do plenário, o Delegado Éder Mauro (PSD-PA) reagiu, aos gritos. Ao retomar a palavra, Assunção chamou o colega de mal-educado: “O deputado não tem educação para ouvir, porque ele não gosta de contraditório”, afirmou.

As primeiras sessões que analisarão projetos serão apenas na próxima semana, a partir de terça (12).

Na sessão inaugural, na segunda (4), deputados e assessores se amontoaram para protocolar logo seus projetos e ficar com o cobiçado “PL 1”: o primeiríssimo projeto de lei apresentado no ano.

Segundo Joice, sua equipe chegou à seção de protocolo às 5h, dez horas antes do início dos trabalhos.

Nem isso, porém, foi o suficiente para garantir que a deputada conseguisse o posto. Ele ficou com o Pastor Sargento Isidório (PR), o novato que foi o deputado federal mais votado da Bahia, que já se acostumou a andar pelo plenário da Casa com uma enorme Bíblia.

Os dois primeiros projetos da legislatura versam sobre o livro sagrado cristão: Isidório quer declarar a Bíblia patrimônio nacional, cultural e imaterial da humanidade. Além disso, quer impedir que o nome “Bíblia” seja usado em outros livros. Ou seja, nada de “Bíblia do vinho”, “Bíblia da Costura” ou “Bíblia do palmeirense”.

Até o final do dia, foram entregues 327 projetos de lei -mais que o dobro das 149 propostas que a Câmara aprovou em plenário em 2018.

Entre eles, está um de Hasselmann que pretende proibir o uso dos vocativos Vossa Excelência para o tratamento de deputados e senadores. “Quero proibir porque Vossa Excelência é o povo brasileiro”, disse ela à reportagem.

Flávio Bolsonaro deve ter cargo na cúpula do Senado

O senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) foi o indicado do PSL para ocupar a 3ª secretaria da Casa. Líderes partidários reuniram-se nesta terça (5) com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), para distribuir os cargos. A eleição será nesta quarta (6), mas as siglas fizeram acordo para evitar a repetição do caos que tomou o plenário na votação para presidente.

Mais  PSL mira em corte de gastos para garantir o “básico”, diz líder

Fonte: Yahoo

Notícias parecidas