O teste de doping final da Liga dos Campeões falhou em Sergio Ramos

As reivindicações cercam o capitão Sergio Ramos e o triunfo de 2017 do clube

Leaks de futebol alegou que Sergio Ramos não passou por um teste de doping imediatamente após a final da Liga dos Campeões de 2017.

O zagueiro do Real Madrid foi selecionado para um teste aleatório após a derrota do Real Madrid por 3 a 1 para a Juventus, em Cardiff.

Um mês após a final, as últimas revelações divulgadas pelo Der Spiegel dizem que a Uefa recebeu um relatório sobre os testes realizados após o jogo, e as amostras fornecidas por Ramos continham vestígios da substância proibida dexametasona.

O hormônio esteróide é usado como um alívio da dor e um anti-inflamatório, mas também é conhecido por aumentar a cognição e concentração. A Agência Mundial Antidopagem lista a dexametasona como substância proibida.

O jogador teria sido contatado pela equipe antidoping da Uefa para uma explicação e respondeu com uma declaração de quatro linhas.

Ramos disse que foi tratado pelo médico do Real Madrid no dia anterior ao jogo, com um relatório médico em anexo detalhando os procedimentos.

“Espero que isso esclareça totalmente a situação”, concluiu Ramos.

Enquanto o uso de dexametasona for relatado antes dos jogos, o hormônio pode ser usado. No entanto, suspeita-se de doping se o médico não informar antes da competição.

O relatório médico apresentado pelo médico do Real Madrid, referido pelo Der Spiegel como Dr. A., não contém menção de dexametasona. No entanto, diz Ramos foi injetado com Celestone Cronodose para ajudar com “patologias crônicas” em seu joelho esquerdo e ombro esquerdo.

Dr. A. explicou que a “euforia” de ganhar a final da Liga dos Campeões levou-o a anotar as informações erradas. Ele se referiu ao erro como “compreensível” e um “erro humano”, que a Uefa considerou uma resposta suficiente.

Um especialista contratado pelo órgão governante do futebol europeu confirmou que duas injeções de dexametasona produziriam o equivalente aproximado da concentração de dexametasona encontrada na amostra da urina do jogador, levando a Uefa à conclusão de que era “muito provável” que a ‘falha’ teste foi meramente o resultado de um erro administrativo.

O caso foi então fechado.

Real Madrid emitiu a seguinte declaração em resposta aos relatórios:

Com relação aos relatórios publicados pela Der Spiegel em relação ao nosso capitão, Sergio Ramos, o clube deseja expressar o seguinte:

1. Sergio Ramos nunca infringiu os regulamentos anti-doping.

2. A UEFA solicitou informações específicas e encerrou imediatamente o caso referido, como é habitual em tais casos, na sequência de testes realizados por especialistas da Associação Mundial Anti-Doping (WADA) e da própria UEFA.

3. Quanto ao restante do conteúdo publicado pela publicação acima mencionada, o clube não fará nenhum comentário, dada a natureza claramente insubstancial dos relatórios.

Fonte: Onefootball 

 

Sobre este editor

Luan Gabriel de Azevedo
Minhas últimas notícias
Mais  "Luvas" de acordo entre Palmeiras e EI irritam clubes

Notícias parecidas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *