sáb. fev 23rd, 2019

PF apura se Aécio usava endereços de parentes para esconder documentos ‘escusos’

A Polícia Federal investiga se endereços de parentes do senador Aécio Neves (PSDB-MG) serviram para a ocultação de documentos “escusos”.

Esse foi o motivo que levou às buscas realizadas nesta quinta-feira (20) na segunda fase da Operação Ross, que investiga a compra de apoio político à campanha presidencial de 2014, relatada na delação de executivos da J&F.

A Polícia Federal suspeita que a casa da mãe de Aécio, Inês Maria Tolentino Neves da Cunha, e endereços ligado ao senador e ao primo dele, Frederico Pacheco, tenham sido usados para ocultar documentos.

A suspeita foi reproduzida na decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio Mello, que autorizou a operação em residências de parentes do senador. A TV Globo teve acesso ao despacho.

Nele, o ministro afirma que a PF diz ter identificado “quatro novos endereços, vinculados ao investigado Aécio Neves, à irmã Andrea Neves e ao primo Frederico Pacheco. Segundo [a PF] aduz, os locais provavelmente são utilizados para a ocultação de documentos”.

Na decisão, o ministro descreve que policiais federais receberam denúncias de que esses endereços eram usados “para a guarda de documentos escusos”. E que testemunhas viram caixas de documentos sendo levadas para a casa da mãe de Aécio.

“Junta aos autos, à folha 21, relatório de denúncia nº 20181218F, no que revelado por pessoa anônima, no mesmo dia, às 9h56, que uma das secretárias do investigado Aécio Neves e o motorista, de nomes não informados, estiveram no endereço […] residência da genitora do investigado, Inês Maria Tolentino Neves da Cunha, oportunidade em que teriam subido várias vezes ao apartamento e escondido caixas com documentos no imóvel”, diz o documento.

De acordo com as informações recebidas pela PF, as caixas foram levadas ao apartamento da mãe de Aécio no mesmo dia em que o senador foi alvo de buscas da Operação Ross, na quinta-feira passada.

Mais  Pauta econômica é prioridade para o novo líder do DEM

Segundo a PF, há também a suspeita de endereços em que Andréa Neves supostamente manteria caixas contendo documentos, e buscas nesses locais podem revelar a existência de documentos de interesse das investigações, com o objetivo de esclarecer os fatos em estágio de apuração.

Fonte: G1

Notícias parecidas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *