ter. fev 19th, 2019

Quem é Fernando Azevedo e Silva, assessor de Toffoli e futuro ministro da Defesa?

O assessor do presidente Dias Toffoli no Supremo Tribunal Federal (STF), general da reserva Fernando Azevedo e Silva foi anunciado nesta terça-feira (13) como o Ministro da Defesa do governo de Bolsonaro. O general da reserva foi chefe do Estado-Maior e trabalhou no Congresso Nacional como assessor parlamentar do Exército. Esteve à frente da Autoridade Pública Olímpica (APO), no governo de Dilma Rousseff (PT).

Fernando Azevedo e Silva também participou da ação militar brasileira no Haiti como líder de um dos contingentes deslocado até a região após 2004. Se formou pela Academia Militar das Agulhas Negras um ano antes do presidente eleito Jair Bolsonaro, em 1976.

Indicado pelo comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, ao Ministro Toffoli, o general da reserva Fernando Azevedo se tornou o assessor do ministro no dia 13 de setembro deste ano. O gabinete do presidente foi montado de forma estratégica para abertura de diálogos com setores chaves do cenário político nacional e com objetivo de superar as crises entre os poderes.

O presidente do STF em seu último encontro na terça-feira (07) com o presidente eleito Jair Bolsonaro declarou que há a necessidade de recuperar o Pacto Republicano. Este pacto trata-se de um  conjunto de normas adotadas em consenso no ano de 2009 entre os três os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, visou principalmente alterar o funcionamento da segurança pública no país. Especula-se que o tema será novamente levantado no futuro governo pelo atual assessor de Toffoli no Ministério da Defesa.

A aproximação de agendas entre a Corte constitucional na figura de seu presidente e do novo governo pode ser diagnosticada também com o trabalho do general Fernando Azevedo junto ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O órgão de controle do Judiciário no qual Toffoli têm entre outras competências a fiscalização nas execução das penas e dos presídios nacionais.

Mais  Governo de Jair Bolsonaro vê Igreja Católica como potencial opositora

Com esta indicação, são cinco ministros definidos para o futuro governo. Azevedo e Silva na Defesa; o astronauta Marcos Pontes, na Ciência e Tecnologia; a deputada federal Tereza Cristina, na Agricultura; o economista Paulo Guedes, na Economia; e o deputado federal Onyx Lorenzoni, na Casa Civil.

A nomeação do militar ocorreu após o presidente eleito Jair Bolsonaro consultar o ministro Dias Toffoli, que também endossou o general em nota.

Fonte: Yahoo

Notícias parecidas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *